PALESTRANTES

CONVIDADOS INTERNACIONAIS

Ativista, capacitadora e líder comunitária em instituições como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização dos Estados Americanos (OEA).

Teólogo Congolês e Doutor em Sociologia pela UNESP. Docente de graduação de relações internacionais da UNILAB.

Doutor em Direito. Professor de Direito do Trabalho e Segurança Social da Universidade de Valência. Professor Associado do Programa de Estudos Jurídicos da Universidade Bolivariana da Venezuela. Professor convidado da Universidade Maior de San Andrés, La Paz (Bolívia). As principais linhas de pesquisa realizadas giram em torno de diferentes tópicos, como “os efeitos da globalização nos direitos sociais”, “direitos trabalhistas dos povos indígenas”, “deficiência e emprego”, discriminação por motivos étnicos e trabalho ” , prevenção de riscos ocupacionais, “transformação do modelo de seguridade social nos países da América Latina”. Atualmente, coordena projetos de colaboração com entidades acadêmicas e governamentais da Bolívia, Chile e Venezuela. Foi consultor das Nações Unidas na Guatemala. O último livro publicado é intitulado “Interculturalidade e Direito do Trabalho. Uma abordagem para a gestão não discriminatória da diversidade cultural na empresa”, Tirant lo Blanch 2009; O último artigo publicado é intitulado “Trabalho e direito no tempo presente. Breves reflexões para o debate ”, Arxius de Ciències Socials 26/2012.

Liderança religiosa muride e fundador da comunidade Madinatu Munawara. Guardião das tradições africanas, islâmicas e tradi-terapeuta.

Coordenadora do setor de educação infantil e gênero e cidadania da Comunidade Mandinatu Munawara. Guardiã das tradições africanas, islâmicas e tradi-terapeuta.

Advogado nigeriano e defensor de pessoas com albinismo. Primeiro especialista independente das Nações Unidas em matéria relacionada ao gozo de direitos humanos por pessoas com albinismo desde 2015.

Cientista Político, especializado en Direitos Humanos e Relações Internacionais, com pesquisa em em análise da situação de vida da população afrodescendente na Colombia e Mexico que geraram ações para atenção aos casos de racismo, visibilidade do estado e reconhecimentos dos direitos dos povos afrodescendentes.

Pós-graduado em sociologia e planeamento pelo ISCTE, em Portugal, do qual é investigador associado do Centro de Estudos Africanos, é investigador do Instituto Nacional de Pesquisas (INEP) da Guiné-Bissau e também membro do Conselho para o Desenvolvimento de Pesquisa em Ciências Sociais em África – CODESRIA. Tem desenvolvido pesquisas e publicado em revistas científicas internacionais nos domínios da juventude, voluntariado, sociedade civil, media, direitos humanos, governação comunitária, segurança alimentar, migrações, feiras livres, literatura e música rap. Atualmente é diretor executivo da ONG Tiniguena, que se destaca no trabalho da promoção, preservação e conservação do ambiente na Guiné-Bissau. Fundador da Corubal, uma cooperativa de produção e divulgação de trabalhos científicos e culturais na Guiné-Bissau. Eleito a personalidade mais influente da África Ocidental em 2018, prêmio conferido pela Juventude da África Ocidental.

Formadora literária, lecionou literatura no National Education and Didactics no Centro de Educação Continuada da Universidade Paris V Descartes tendo sido convidada por várias universidades, incluindo a Universidade da Califórnia em Berkeley, para discutir sobre questões de direito internacional e resolução de conflitos. Em 2009, recebeu o Prêmio de Direitos Humanos do Conselho de Justiça, Igualdade e Paz. É membro da União Judaica Francesa pela Paz. Desde 2011, é especialista no Grupo de Trabalho da ONU sobre Pessoas de Origem Africana, de 2014 a 2016. Presidente da Fundação Internacional Frantz Fanon. Publicou numerosos artigos sobre direitos humanos e direito internacional e humanitário, sobre o processo de radicalização e discriminação, sobre a colonialidade do poder, do conhecimento e do ser. Em maio de 2018 participou da Conferência Internacional “Bandung du Nord”, organizada pela Rede Internacional Decolonial para “questionar a memória colonial”.

Embaixadora / Observadora Permanente Pela Comunidade Do Caribe Nas Nações Unidas. Missouri Sherman Peter – Int. ([email protected]) – Bahamas.

Diretora Executiva do UNFPA, a agência de saúde sexual e reprodutiva das Nações Unidas. Nessa condição, ela está entre as mulheres de mais alto nível nas Nações Unidas e a primeira latino-americana a chefiar o UNFPA. Bacharel em história e ciência pela Universidade de Harvard, onde se formou magna cum laude. Iniciou seus estudos em  questões relacionadas aos direitos da mulher como estudante de Harvard quando participou da primeira Conferência Mundial da ONU sobre as Mulheres, em 1975. Se formou em medicina pela Columbia University, em Nova York, com  mestrado em Saúde Pública,  especializações em Epidemiologia e Medicina Preventiva pela Universidade de Washington, Seattle.

Diretor do Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil.

CONVIDADOS NACIONAIS

Coordenadora de Política de Promoção da Diversidade Religiosa da Secretaria de Direitos Humanos e Igualdade racial da Secretaria de Estado, Justiça e Cidadania do Distrito Federal.Ex-Chefe da Divisão de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro da Fundação Cultural Palmares (FCP). Yalorixá do Terreiro Ylê Axé Oyá Bagan.

Professor de Matemática Financeira. Presidente do Conselho Municipal de Política Cultural de Lauro de Freitas CMPC- BA. [2015-2019]. Conselheiro do CMPC representando as comunidades tradicionais para o biênio 2019-2021. Presidente da Associação Cultural e Religiosa Sítio de Paz e Babalorixá do Il´Orisá Nlá Asé Obalodó- Terreiro Sítio de Paz.

Tupinambá Hã-hã-hãe (Etnia Tupinambá), TI Caramuru Catarina Paraguassu, Pataxó Hã hã hãe – Aldeia Água Vermelha/Pau Brasil, BA, TIC – Tecnologia da Informação e Comunicação e Agente Cultural Indígena, Youtuber indígena, Blogueiro “Blogue do Anápuáka”, indígena fundador, gestor e liderança do Grupo Raízes Históricas Indígenas. Ex Conselheiro Suplente da Região Sudeste do Colegiado Setorial de Cultura Indígena / Ministério da Cultura – Conselho Nacional de Política Cultural – CNPC, desenvolve o trabalho de articular política públicas indígenas, ativista de cultura livre, cultural digital, cultura de software livre e mídias livres, é web coach de mídias digitais em tempo integral, membro fundador e gestor da Rede de Cultura Digital Indígena, Prêmio Mozilla Firefox Libertadores da Web/Mozilla Foundation 2011 – 3ª edição Festival Internacional Cultura. Digital Br, formador de estratégias de mídias e políticas públicas para o PVPI – Projeto Vidas Paralelas Indígena, Unb – Universidade de Brasília 2012 – 2013, Membro do GTIREL-RJ do CEPLIR Centro de Promoção da Liberdade Religiosa & Direitos Humanos SEASDH/SUPERDir, Projeto de Pesquisa “Pensamento Indígena Contemporâneo” RAHIS Raízes Históricas Indígenas | Centro de Pesquisa ATOPOS-USP 2013,Projeto Acesso Universitário Indígena RAHIS | PUC RJ | IBICT | REDES – Pré vestibular Indígena em 2013. Idealizou e coordenou a primeira empresa de comunicação indígena do Brasil sendo a primeira mídia uma web rádio indígena, a Rádio Yandê até presente data e 2018 idealizo e crio a Casa Yandê centro cultural indígena itinerante no Rio de Janeiro.

Especialista em Políticas públicas e Direitos Humanos. Experiência na área de povos e comunidades tradicionais com atuação na área de criação de planos nacionais e na implementação e monitoramento de políticas públicas para segmentos tradicionais. Membro do Coletivo “Mulheres de Axé” com atuação na prevenção e combate à intolerância religiosa.

Procuradora do Trabalho.

Médico Pediatra. Ativista pela igualdade de direitos quilombolas. Coordenador de Projeto assistencial, social e de turismo de base comunitária no Sítio do Patrimônio Histórico e Cultural Kalunga, na Chapada dos Viadeiros.

Mestre em Administração Pública pela UnB e graduada em psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita. Servidora do Ministério da Educação, na área da educação para as relações étnico-raciais. Atua nas áreas de educação, administração pública, políticas públicas em educação e ações afirmativas,  com ênfase em Políticas Sociais e Planejamento Governamental. Atualmente exerce a função de técnica em Assuntos Educacionais na Coordenação Geral de Recursos Logísticos do Ministério das Relações Exteriores.

É  ativista dos direitos humanos de crianças e adolescentes, e professor, pesquisador e consultor em políticas públicas para infância e juventude. Trabalha atualmente como especialista na área de proteção de crianças e adolescentes do UNICEF Brasil, tendo já desenvolvido trabalhos com escritórios do UNICEF na Albânia, Romênia, Guiné Bissau e Equador. É doutor em Antropologia pela Universidade de Berkeley na Califórnia, pós-doutor pelas universidades de John Hopkins e Universidade da California.

Membro da comunidade Quilombola Cruz da Menina; presidente da coordenação estadual das comunidades quilombolas da Paraíba – CECNEQ/Associação da comunidade dos remanescentes de Quilombo.

Doutora em Educação. Professora Associada na Universidade Federal do Mato Grosso onde coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações raciais e Educação (NEPRE). Associada da Associação Brasileira de Pesquisadores Nesgros e Pesquisadoras Negras (ABPN) e à Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Desenvolve e orienta pesquisas sobre relações raciais e educação na sociedade brasileira, educação escolar quilombola, racismo cotidiano, memórias e narrativas.

Procuradora do Trabalho.

Liderança indígena do povo Shanenawa na Aldeia Shanekaya.

Secretário-Executivo do CIMI (Conselho Indigenista Missionário), órgão vinculado à Igreja Católica.

Doutor em História com Pós-Doutorado em Conservação e Desenvolvimento do Trópico e Migrações Internacionais. Membro da equipe do Projeto Ubuntu.

Gestora de educação escolar quilombola. Coordenadora Pedagógica das Escolas Quilombolas do Município de Uruaçu (GO).

Liderança feminina do povo Shanenawa da aldeia Shanekaya, localizada no Acre.

Advogado, especialista em Direito Processual do Trabalho, especialista em mediação e juízo arbitral; é Ogã-Chefe do Centro Espírita Assistencial Nossa Senhora da Glória, o CEANSG, considerado pelo IPHAN/DF, como a casa de matriz africana mais antiga do DF, em funcionamento.

Doutora em Educação. Professora Associada na Universidade Federal do Mato Grosso onde coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações raciais e Educação (NEPRE). Associada da Associação Brasileira de Pesquisadores Nesgros e Pesquisadoras Negras (ABPN) e à Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Desenvolve e orienta pesquisas sobre relações raciais e educação na sociedade brasileira, educação escolar quilombola, racismo cotidiano, memórias e narrativas.

Cursou dois anos na Universidade Princeton (1971-74) e completou sua graduação em ciências sociais, com honras, na Universidade do Estado de Nova York (EUA), recebendo o Bacharel em Artes, Summa Cum Laude, em 1976. Realizou o mestrado em ciências sociais (1978), bem como o Juris Doctor, Cum Laude (mestrado em direito com honras, 1981) na Universidade do Estado de Nova York. Completou o doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano da Universidade de São Paulo em 2000. Atualmente dirige o Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO). Tem experiência nas áreas de Educação e Antropologia, com ênfase em Direitos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: atitudes étnicas e raciais, sistemas africanos de conhecimento, negros (Brasil), diáspora africana e movimentos sociais.

Jornalista, poetisa cantora e atriz brasileira. A artista foi um dos galardoados com o Troféu Raça Negra 2010 em sua oitava edição, na categoria Teatro. Também foi premiada no cinema pelo filme A última Estação, de Marcio Curi, no qual protagoniza o personagem Cissa.

Assessor da Liderança do Cidadania no Senado Federal, Psicanalista, Psicopedagogo, Professor Universitário, Autor de Livros, Consultor da UNESCO. Um dos líderes responsáveis pela criminalização da LGBTfobia, coordenador, no Senado, da Aliança Nacional LGBTI.

Mestre em Ciências Sociais pela UFBa. Área de concentração em Sociologia da Religião e questões sócio-culturais e raciais relativas à religião, gênero e educação, desenvolvendo pesquisas sobre as relações entre religião, práticas corporais e modos de tratamento no contexto do candomblé. Professora e tutora da FTC e UNYLEYA.

Desembargadora do TRT 5.

Procuradora do Trabalho. MPT/DF.

Comunicador indígena na @india_midia, , ativista LGBT, , secretário da Associação de Jovens Indígenas Pataxó, escritor e acadêmico da UFSB.

Pós-Graduação em Política Pública Metropolitana. Especialização em Políticas Públicas de Gênero na América Latina pelo IPPDH. Mestranda em Sociologia Política no IUPERJ. Socióloga pela PUC/RJ. Extensão em Mercado de Trabalho e Direitos Humanos pela UFRJ. Coordenadora de Diversidade do Centro de Promoção de Liberdade Religiosa- CEPPLIR da SEASDH. Prêmio Nacional de Direitos Humanos. Coordenadora de Assistência Religiosa no Sistema Prisional.

Advogado, graduado em Direito pela UFRJ. Foi pesquisador vinculado ao Grupo de Pesquisa Configurações Institucionais e Relações de Trabalho (CIRT/UFRJ). Tem experiência na área de direito, com ênfase em direito do Trabalho. Atualmente está assessor da Dep. Mônica Francisco, presidente da Comissão de Trabalho da ALERJ.

Filósofo indígena e ex reitor da UFAM.

Teóloga e Historiadora. Mestranda em Educação e Contemporaneidade (UNEB). Especialista em História e Cultura Afro brasileira e Indígena (IFBA-Gov.Mangabeira). Especialista em educação de jovens e adultos (UFBA/FACED). Pesquisadora das Religiões Afro Atlânticas e Coordenadora do Coletivo Cuxi Coletivo Negro Evangélico.

Educadora e quilombola atuou em sala de aula em escolas públicas por 20 anos. Graduada em Letras e especialista em Programação de Ensino e Desenvolvimento Local Sustentável. Mestra em Políticas Públicas e Gestão da Educação pela Universidade de Brasília-UnB (2010-2012) e doutoranda do curso de Sociologia na mesma Universidade (2017-2020). É orientanda do Professor Dr. Joaze Bernardino-Costa. Pesquisa educação escolar quilombola, organização de mulheres quilombolas e questões agrárias em quilombos. Integrante do Núcleo de Estudos Afro-brasileiro/NEAB, do Laboratório de Terra/Tterra, Grupo de Estudo Mulheres Negras e Grupo de Estudos em Políticas Públicas, História e Educação das Relações Raciais/ GEPPHERG (todos da UnB). Bolsista do CNPQ. Atuou como coordenadora de regularização fundiária dos territórios quilombolas no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária- INCRA (setembro de 2008-fevereiro 2015). É membro fundador da Coordenação Nacional das Comunidades Quilombolas ? CONAQ. Vereadora por 2 mandatos pelo Partido dos Trabalhadores/Salgueiro-PE. Foi Secretária Nacional de Políticas para Comunidades Tradicionais da SEPPIR em 2 períodos (julho de 2007 a maio de 2008) e de março de 2015 a maio de 2016. Associada da Associação Brasileira de pesquisadores e pesquisadoras negras ? ABPN e coordenadora do Comitê Científico: Quilombos, territorialidades e saberes emancipatórios da ABPN e membro do Conselho Fiscal da mesma Associação. Atuou como consultora da FAO para análise de políticas para povos e comunidades tradicionais propostas em conferências, encontros e seminários e sua efetivação junto a esses grupos. Atua como consultora da ONU Mulheres como formadora de professores(as) para implementação do currículo pedagógico O Valente Não é Violento.

Pedagoga e Doutora em Antropologia pela Philipps-Universitat Marburg (Alemanha). Doutora em Teologia. Musicista e Mestre em História. Estuda Línguas, costumes e cultura indígena. Tradutora de Guarani e de Kaiowá.

Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003) e mestre pela mesma instituição desde (2000). Advogado dos consulados de Angola em São Paulo e no Rio de Janeiro e assessor científico FAPESP. Atua principalmente nos seguintes temas: liberdade de crença, direito internacional, ações afirmativas, racismo, e educação igualitária.

Presidente da Comissão Nacional da Verdade da Escravidão Negra do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e Presidente da Comissão Estadual da Verdade da Escravidão Negra da Seccional da OAB/RJ. Presidente da Comissão da Igualdade Racial do IAB. Ex-Vice Presidente da Comissão Nacional da Igualdade Racial, do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, desde janeiro 2014. Foi Membro da Comissão Nacional de Direito Ambiental do Conselho Federal da OAB, foi Ouvidor Geral da SEPPIR de Ago/2009 até Fev/2011. Possui graduação em Direito pela Universidade de Brasília (1980) e Mestrado em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1997). especialmente sobre a discussão sobre ações afirmativas, Lei 10.639/03 (11.645 – Lei de História da África e Cultura afro-brasileira), discriminação racial no mercado de trabalho e racismo institucional. É advogado especialista em ações de enfrentamento ao racismo perante o Supremo Tribunal Federal. Nomeado representante do Conselho Federal da OAB na CONATRAE Comissão Nacional de Erradicação de Trabalho Escravo/Ministério dos Direitos Humanos.

Pedagoga e Especialista em Métodos e Técnicas de Ensino. Coordenadora do Movimento Negro Unificado (MNU). Secretaria de Combate ao Racismo da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Vice-Presidente da Central Única dos Trabalhadores/GO. Coordenadora do Centro de Referência Negra Lélia Gonzalez. Conselheira do Conselho Nacional de Direitos Humanos.

Bacharel em Estudos de Gênero e Diversidade. Coordenadora Nacional do Coletivo de Entidades Negras. Atuação na área de Ciência Política, com ênfase em Genero e Relações Raciais. Facilitadora da Secretaria de Politicas para Mulheres do Estado da Bahia nos programas: Projeto Margaridas e Caravana Cravos e Rosas na paz.

Gestor Cultural Independente afro-centrado. Secretário Parlamentar do Dep. Federal Marcelo Calero. Representante do Movimento Afro-religioso/ RJ (CENARAB/CONEN).

Graduando em Ciências Sociais e Bacharel em Humanidades pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira/UNILAB/IHL. Pesquisador no Programa Latitudes Africana – programa que integra as atividades de extensão do Grupo de Pesquisa África-Brasil: Produção de conhecimento, sociedade civil e desenvolvimento e cidadania global da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira/Instituto de Humanidades e Letras, bolsista PIBEAC/UNILAB (2019) Núcleo Artístico Latitudes Africanas: Afro – linguagens, corpos, literaturas e estéticas .

Mestrado em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (1991) e doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília (2009), Especialização em Relações Internacionais na UnB (2015). Atualmente é Executivo Público da Secretaria de Saúde de São Paulo. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em direitos humanos , atuando principalmente nos seguintes temas: direitos humanos, politicas públicas, ação afirmativa, Estudos sobre Africa Contemporânea. Professor de Introdução à Sociologia na UnB.

Procurador da República. Integrante do Grupo de Trabalho “Enfrentamento ao Racismo” PFDC e Relator da Relatoria “Estado Laico e Violência Religiosa” da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal.

Liderança negra e religioso de matriz africana, pessoa portadora de deficiência física e militante.

Graduada em Direito em 1997 pela Universidade Federal de Roraima (UFRR) e Mestre pela Universidade do Arizona (EUA), nos Estados Unidos, .Primeira mulher indígena a exercer a profissão de advogada no Brasil, e política brasileira filiada à Rede Sustentabilidade (REDE). Joênia é a primeira mulher indígena a ser eleita deputada federal, representando Roraima, durante as eleições de 2018. Atuou na demarcação da reserva indígena Raposa Serra do Sol, além de trabalhar no departamento jurídico do Conselho Indígena de Roraima (CIR) e na defesa de direitos de índios à posse de suas terras na Região Norte do Brasil. Foi a primeira presidente da Comissão de Direitos dos Povos indígenas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), criada em 2013. Recebeu, em 2004, o Prêmio Reebok pela sua atuação na defesa dos direitos humanos. Em 2010, foi condecorada com a Ordem do Mérito Cultural do Ministério da Cultura. Nas eleições de 2018, foi eleita à Câmara dos Deputados por Roraima, pela Rede Sustentabilidade. Recebeu o Prêmio de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) em 2018.

Gestor Cultural e Desenvolvedor da Economia Criativa a partir da cultura afro-brasileira. Assessor parlamentar do Deputado Marcelo Calero (RJ). Ex-coordenador de mobilização da Secretaria da Cidadania e da Diversidade do Ministério da Cultura.

Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997), doutorado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001) e doutorado em Doutorado Sanduíche – Tulane University (2000). Pós-doutoramento em Antropologia pela ufba (2012), Atualmente é Diretor da Faculdade de Direito da UFBA (2017-2021), professor associado da Universidade Federal da Bahia, professor do quadro permanente do mestrado e doutorado em direito da UFBA (PPGD). Coordenador das Especializações “Direitos Humanos e Contemporaneidade” (CAPES/UAB) e “Estado e Direito dos Povos e Comunidades Tradicionais” (CAPES/UAB). Coordenador do Grupo de Pesquisa “Historicidade do Estado, Direito e Direitos Humanos: interações sociedade, comunidades e meio ambiente” da Universidade Federal da Bahia, Foi Pesquisador-visitante IPEA para Projeto “Diálogos para o aperfeiçoamento da Política e do Sistema de Recursos Hídricos no Brasil”. Atuação profissional com ênfase em Direitos Especiais, principalmente nos seguintes temas: Direitos Humanos, controle e participação popular, direito ambiental, recursos hídricos, meio ambiente, saúde, comunidades tradicionais e minorias, História do Direito, Sociologia Jurídica e Antropologia. Experiência em cooperação técnica internacional na área de gestão das águas com ABC/MRE e países africanos de língua portuguesa. Participante de COP´s na área ambiental (Copenhague, Madri, Curitiba). e Fórum Mundial da Água (Istambul).

Subsecretário de Direitos Humanos da Sejus/DF. Ex- Secretário Nacional de Políticas de Promoção de Igualdade Racial.

Mestre em Filosofia e Ensino pelo programa de Pós-graduação de Filosofia e Ensino PPFEN CEFET / RJ . Doutoranda em Filosofia no Programa de Pós Graduação de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais IFCS/PPGF. É Coordenadora do Laboratório de pesquisa de Filosofia Africana Geru Maã / UFRJ. Suas pesquisas envolvem: O ser, Filosofia africana antiga, subjetividade , Ontologia ,Ética, Kemetica, Filosofia política , Epistemicídio e a lei 10639/03 e a garantia de seus direitos e aplicabilidade bem como ações emancipatória para a população negra.

Mulher, mãe, bissexual, ativista, moradora da periferia de São Paulo e indígena urbana.

Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em estudos de cultura e território (PPG-CULT) da UFT. Doutora em Geografia pela UFGO. Vinculada ao colegiado de licenciatura em geografia da UFT, Campus Araguaina. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Práticas e Saberes Agro-ecológicos (NEUSA).

Coordenador do Núcleo de Documentação do Laboratório de Pesquisa Histórica do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará, onde é professor da graduação e da pós-graduação em História e do Mestrado Profissional em Ensino de História. Tem pesquisas na área de História da África e da Diáspora africana, especialmente na história dos quilombos, com interesse nas questões por luta por território, memória, educação e decolonização. É co-líder do Grupo de Estudos em Políticas Públicas, História, Educação para Relações Raciais e de Gênero. Geppherg/FE- Unb/UFC.

Clériga e coordenadora do “Abraço Negro”- Pastoral Afro da Diocese Meridional da Igreja Episcopal Anglicana. Centro Ecumênico de Cultura Negra – CECUNE, Diocese meridional da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil.

Doutora em Psicologia e Pós Doutora em Neurociências, Diretora-Presidente da Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação e ainda, Diretora de Pesquisa em Neurociência da mesma. Inaugurou os centros de pesquisa em Neurociências no Rio de Janeiro e Brasília e expandiu a Rede Sarah de Hospitais e Reabilitação para São Luiz (MA), Salvador (BA), Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE), Lago Norte (BSB), Macapá (AP), Belém, Rio de Janeiro. Faz parte de vários Conselhos Editoriais de Revistas Cientificas Internacionais, publicou diversos livros, assim como capítulos e artigos em inúmeras publicações internacionais. Além de coordenar as 9 unidades da Rede Sarah, atua também nas áreas de pesquisa e reabilitação neurológica.

Procuradora do Trabalho/DF.

Doutor em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, mestre em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas e especialista em Educação para a Gestão Ambiental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Possui licenciatura em Ciências Sociais e bacharelado em Arquivologia pela Universidade Federal Fluminense. Contribui com comunidades de baixa renda e baixa qualidade educacional e profissional em projetos socioculturais e educacionais que requerem experiência na análise das relações raciais no Brasil, assim como um especial manejo na articulação do conhecimento nas áreas de Ciências Sociais, Educação e Ciência da Informação.

Doutor em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, mestre em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas e especialista em Educação para a Gestão Ambiental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Possui licenciatura em Ciências Sociais e bacharelado em Arquivologia pela Universidade Federal Fluminense. Contribui com comunidades de baixa renda e baixa qualidade educacional e profissional em projetos socioculturais e educacionais que requerem experiência na análise das relações raciais no Brasil, assim como um especial manejo na articulação do conhecimento nas áreas de Ciências Sociais, Educação e Ciência da Informação.

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero, é atriz formada pela Escola Livre de Teatro de Santo André, criadora do coletivo artístico Palavrarte Comunicação e Arte. Atualmente coordena a realização do projeto multimídia Desde que o Samba é Sampa e assina a edição da revista eletrônica Samba Sampa.
Como assessora de comunicação, atua no Instituto Pólis integrando a equipe do projeto Pontão de Convivência e Cultura de Paz. Atua como produtora cultural e assessora de imprensa desde 2006, tendo trabalhado na organização dos principais festivais de cinema de São Paulo (Festival de Curta-metragens / Associação Cultural Kinoforum, É Tudo Verdade e Mostra Internacional de Cinema) e mostras de cinema no Centro Cultural Banco do Brasil – SP. Como assessora de comunicação e de imprensa, integrou a equipe de comunicação do SESC Vila Mariana, do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e participou do projeto de Isabel Tica Lemos, Juanita. Foi fótografa convidada no programa Roda Viva (TV Cultura). Como produtora teatral, esteve a frente da produção dos espetáculos do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos (temporada 2010), Cia dos Dramaturgos e Núcleo Entrelinhas de Teatro.
No campo acadêmico pesquisa as literaturas africanas de língua portuguesa (FFLCH /USP), onde estabelece conexões e diálogos entre as manifestações culturais afrobrasileiras e a literatura afro-lusófona. É autora do blog literário: mulhertemporina.blogspot.com; [email protected]

Doutor em Direito pela Universidade de Bremen, com bolsa do DAAD (1991). Pós-Doutorado na Faculdade de Ciência Jurídica da Universidade de Frankfurt (1996-1998) e no Departamento de Direito da London School of Economics and Political Science (10-11.2007), com bolsa da Fundação Alexander von Humboldt. Livre-Docência pela Faculdade de Direito da Universidade de Fribourg na Suíça (2000). Professor da Faculdade de Direito do Recife da UFPE (1983-2002), Professor Titular de 1993-2002. Visiting Fellow do Instituto de Federalismo da Universidade de Fribourg, Suíça (1998-2000). Bolsista-Pesquisador da Fundação Alexander von Humboldt no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Frankfurt am Main, Alemanha (2000). Jean Monnet Fellow no Departamento de Direito do Instituto Universitário Europeu, em Florença, Itália (2000-2001). Professor Visitante na Faculdade de Direito da Universidade de Fribourg, Suíça (2001). Professor Catedrático Substituto da Universidade de Frankfurt am Main, Alemanha (2001-2002). Professor Visitante na Universidade de Flensburg, Alemanha (2002-2003). Professor Titular de Direito Público da Universidade de Brasília – UnB desde 19 de julho de 2011. Editor-chefe da Revista Direito UnB (2013-). Visiting Senior Research Fellow da Fundação de Pesquisa Adam Smith da Universidade de Glasgow, Escócia (01-04 e 06-07/2014). Destacam-se como suas principais obras, além da organização de livros no exterior e de inúmeros artigos publicados em livros e periódicos nacionais e internacionais, os seguintes livros: Transcontitutionalism, Oxford: Hart, 2013; Entre Hidra e Hércules: Princípios e Regras como Diferença Paradoxal do Sistema Jurídico, São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013; Transconstitucionalismo, São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009; Zwischen Themis und Leviathan: Eine Schwierige Beziehung Eine Rekonstruktion des demokratischen Rechtsstaats in Auseinandersetzung mit Luhmann und Habermas, Baden-Baden: Nomos, 2000 [trad. bras.: Entre Têmis e Leviatã: Uma Relação Difícil O Estado Democrático de Direito a partir e além de Luhmann e Habermas, São Paulo: Martins Fontes, 2006]; Grenzen der demokratischen Rechtsstaatlichkeit und des Föderalismus in Brasilien, Fribourg: Institute of Federalism / Basel: Helbing & Lichtenhan, 2000; Symbolische Konstitutionalisierung, Berlim: Duncker & Humblot, 1998 [1ª ed. bras.: A Constitucionalização Simbólica, São Paulo: Acadêmica, 1994; segunda ed. bras.: A Constitucionalização Simbólica, São Paulo: Martins Fontes, 2007; São Paulo: WMF: Martins Fontes, 2011 ]; Verfassung und Positivität des Rechts in der peripheren Moderne: Eine theoretische Betrachtung und eine Interpretation des Falls Brasilien, Berlim: Duncker & Humblot, 1992; Teoria da Inconstitucionalidade das Leis, São Paulo: Editora Saraiva, 1988.

Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo. Jornalista formado pelo Centro Universitário Jorge Amado – Unijorge, é coordenador-geral do Coletivo de Entidades Negras (CEN) e membro do Conselho Editorial do portal Midia 4P na função de editor-chefe. Foi repórter de Cidade, Política, Economia e outras editorias no jornal A Tarde durante quatro anos e meio, especializando-se na cobertura de temas relacionados à pauta negra e das religiões afro-brasileiras. Também trabalhou no jornal O Estado de S. Paulo, o Estadão, como correspondente na Bahia durante as eleições presidenciais. e estaduais de 2018. Atualmente, atua como consultor na área de comunicação política, para meios digital e offline, além da paixão que mantém pela reportagem.

Doutora em Direito Penal pela UFRJ, Mestre em Direito Penal pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora Titular da Universidade Federal da Bahia. Especialista em Direito Penal.

Mestre em Educação, graduação em história e pedagogia. Trabalhou durante 16 anos na área de educação étnico-racial, e, 3, especificamente na área da educação escolar quilombola. Participou da elaboração das diretrizes curriculares para a educação escolar quilombola. Também da discussão da Base Nacional Curricular. Participou dos debates da elaboração do Decreto 6040/2017, que regulamenta a Convenção 169 da OIT.

Mestre e Doutora pela PUC/GO. Pós-doutora na Faculdade de Direito de Coimbra, pesquisadora junto à Universidade Paris X Nanterre. Professora nos Programas de Pós-graduação em Direito Agrário da UFG e UNAEP.
David Raimundo dos Santos. Frei franciscano. Presidente da ONG Educafro (Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes).

Professora da UNB. Mestrado em Educação pela Universidade de Brasília (1979) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (1997). Professora no Mestrado Profissional em Sustentabilidade junto a Povos e Terras Tradicionais (MESPT) do Centro de Desenvolvimento Social da Universidade de Brasília (CDS/UNB). Experiência na área de Educação, com ênfase em Educação e Cultura Afro brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura afro-brasileira, quilombos contemporâneos, educação e cultura afro-brasileira, combate ao racismo e pesquisas. Participou da elaboração das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola.

Advogada, mestre em direito internacional ao desenvolvimento e direitos humanos, graduada pela Universidade de Warwick e pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, e passou a integrar a equipe da Human Rights Watch em 2013 como diretora do escritório Brasil na Divisão das Américas. Antes de integrar a equipe da Human Rights Watch, Maria Laura coordenou uma equipe de advogados públicos em projetos na área social e de direitos humanos – incluindo direitos das crianças, das mulheres, dos trabalhadores, LGBTs e dos povos indígenas, bem como questões de saúde e educação públicas. Antes disso, Maria Laura passou vários anos trabalhando com fortalecimento institucional de OSCs de direitos humanos em São Paulo, tendo também trabalhado durante quase 2 anos na Índia monitorando a situação dos direitos humanos e da segurança pública em diversos países da Comunidade Britânica (Commowealth). Em sua posição na Human Rights Watch, Maria Laura trabalha em parceria constante com organizações locais, autoridades públicas e integrantes da imprensa brasileira e internacional para promover os direitos humanos na política externa e doméstica brasileira. Mais recentemente tem se dedicado a acompanhar de perto as áreas relacionadas à violência contra a mulher, pessoas com deficiência, defensores ambientais, e a situação crítica do sistema prisional brasileiro.

Mestrado em Sociologia pela Universidade de Brasília (1994), doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília (2002). Analista em ciência e tecnologia do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e integra a equipe do Programa Mulher e Ciência do CNPq. Trabalha principalmente nos seguintes temas: pensamento social no Brasil; obra e recepção de Roger Bastide; comportamento político e legislativo; relações raciais e de gênero, educação e ciências; estudos feministas; participação das mulheres nas ciências e educação; ações afirmativas e políticas públicas.

Advogado em Brasília e Analista Político de várias entidades, grupos de interesse e organizações sociais. Professor, desde 1990; pesquisador especialista em direito público, democracia, direitos humanos e controle do poder. Co-Diretor Nacional do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral – MCCE (2019); diretor desde 2012, do IBDCAP – Intituto Brasileiro de Direito e Controle da Administração Pública.

Poeta e Escritor.

Historiador, membro da Rede Nacional de Negras e Negros LGBTI, Conselheiro do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

Advogada, Assessora Jurídica do NUPIIR, formada pela Universidade Federal da Grande Dourados, militante indigenista; pesquisadora da situação penal dos indígenas encarcerados no Mato Grosso do Sul. Assessora Jurídica na Comarca de Bandeirantes/MS (jan/maio 2018).

Graduada em Direito pela Universidade Estadual de Londrina no ano de 1984, pós-graduada em Direito Processual Civil pela Universidade Católica Dom Bosco/INPG – Instituto Nacional de Pós-Graduação em outubro de 2001, Mestre em Direito Civil (Função Social do Direito Privado) – FADISP, Defensora Pública Estadual de Segunda Instância com atuação em segundo e terceiro graus. Coordenadora Estadual do Núcleo de Defesa dos Povos Indígenas e Igualdade Racial e Étnica da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul.

Bacharel em Letras e Mestre em Antropologia Social pela UnB, doutor em Antropologia pela USP. Estagiou no Centre Louis Gernet da École de Hautes Études en Sciences Sociales, a convite de Pierre Vernant, sendo lá orientado por Pierre Vidal-Nacquet. Tem pós-doutorado em Literatura e Cultura. Ensinou Língua Grega na UnB, em cursos de graduação e pós-graduação, na qualidade de membro do Centro de Estudos Clássicos fundado e dirigido por Eudoro de Sousa. Ensinou Língua Portuguesa e Introdução à Filosofia na Faculdade Católica de Ciências Humanas de Taguatinga. Aposentou-se como Professor Associado da Universidade Federal da Bahia, onde ensinou nos Departamentos de Sociologia e Antropologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Permaneceu atuante no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFBA (PPGA/UFBA) e em dois grupos de pesquisa da mesma Universidade. Foi um dos fundadores do PPGA/UFBA e seu primeiro coordenador. Foi também professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais PPGCS/UFBA e professor participante (colaborador) do seu Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva PPGSC/UFBA. Foi Diretor do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural e Presidente da Fundação Cultural do Estado da Bahia. Integrou o Conselho de Cultura do Estado da Bahia e presidiu sua Câmara de Patrimônio. Foi também Pró-Reitor de Extensão da Universidade Federal da Bahia. Tem vinte livros de ensaios publicados, sendo onze de sua autoria exclusiva. Em periódicos científicos e de difusão cultural tem cerca de cinquenta artigos publicados. Traduziu e comentou a tragédia sofocleana Rei Édipo, o Hino Homérico a Hermes, o Hino Homérico a Deméter e os Hinos Órficos, de que fez a primeira versão para a língua portuguesa. Traduziu, também, seis importantes livros de ensaios sobre as civilizações clássicas. Realizou pesquisas antropológicas na Área Indígena do Xingu, no Pará, em Minas Gerais, em Brasília e na Bahia. Dedica-se também à atividade literária. As quatro obras de ficção que publicou foram premiadas em concursos nacionais de literatura. Seu último livro de contos inaugurou, na categoria, o Selo Literário João Ubaldo Ribeiro. Tem um livro de poemas de cordel editado pela EDUFBA. Publica regularmente artigos e notícias bibliográficas, assim como desenhos e criações gráficas, em seu site (https://ordepserra.wordpress.ccom/). Colabora com o site Teatro Nu. Já colaborou com o site Doentes por Futebol. É membro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, da Associação Brasileira de Antropologia e da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos. Presidiu por duas vezes a ANAÍ-BAHIA (Associação Nacional de Ação Indigenista na Bahia). É membro fundador de Koinonia, Presença Ecumênica e Serviços e do Grupo Hermes de Cultura e Promoção Social. Coordena o Movimento Vozes de Salvador e integra o Fórum A Cidade Também É Nossa, que também já coordenou. Participa do movimento internacional Dialogues en Humanité. Participou da organização e da coordenação de dois congressos internacionais sobre Direito de Povos e Comunidades Tradicionais. Recebeu a medalha Eugênio Teixeira Leal de mérito cultural. Tem os títulos honoríficos de Olopitan e Novi Nukundeji conferidos por dois grandes terreiros baianos por cujos direitos tem lutado. É titular da Cadeira 27 da Academia de Letras da Bahia.

Jornalista, radialista e escritor. Idealizador das Coletâneas “Negras Palavras Gaúchas UM e DOIS”, projeto premiado pelo governo gaúcho com o Prêmio Diversidade, em 2014, por seu ineditismo. Ocupa a Cadeira número 87 da Academia de Letras do Brasil, Seção Rio Grande do Sul. Atuou como gerente de Comunicação Social na Fundação Cultural Palmares, instituição ligada ao Ministério da Cultura.

Pedagoga e assessora pedagógica da Coordenadoria Especial de Promoção para a Igualdade Racial na Prefeitura Municipal de Fortaleza e religiosa de matriz africana.

Mestre em Direito Constitucional e especialista no novo constitucionalismo latino-americano.

Subprocurador Geral do Trabalho.

Professora Emérita da Universidade Federal de São Carlos. E. Em junho 2010 foi indicada como Somghoy Wanadu-Wayoo, do Conselho do Amiru Shonghoy Hassimi O Maiga, chefe do Povo Songhoy, no Mali. É Professora Titular em Ensino- Aprendizagem – Relações Étnico-Raciais, docente junto ao Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas do Centro de Educação e Ciências Humanas-UFSCar, na condição de professora sênior. É pesquisadora junto ao Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UFSCar. Integra o International Research Group on Epystemology of African Roots and Education , coordenado pela Drª Joyce E. King da Georgia State University/USA. Foi conselheira do World Education Research Association (WERA) representando a Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as) (ABPN) (2009 – 2016). Foi conselheira, na condição de notório saber, do Conselho Nacional de Políticas de Igualdade Racial (2015 – 2016). Foi Conselheira da Fundação Cultural Palmares, nos termos da Portaria nº 141, de 28/12/2011. Por indicação do Movimento Negro, foi conselheira da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, mandato 2002-2006. Nessa condição foi relatora do Parecer CNE/CP 3/2004 que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana. Foi professora visitante junto a University of South Africa (1996), a Universidad Autonoma del Estado de Morelo, in Cuernavaca, México (2003), na Stanford University , USA, (em 2008 e em 2015). De 2007 a 2011 foi coordenadora do Grupo Gestor do Programa de Ações Afirmativas da UFSCar. Em 2011, recebeu homenagem da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), das mãos da Ministra Luiza Helena Bairros, o prêmio Educação para a Igualdade, por ser a primeira mulher negra a ter assento no Conselho Nacional de Educação, por relevantes serviços prestados ao País e pela valiosa contribuição para a educação brasileira no combate ao racismo.

Psicóloga Clínica. Coordenadora de Estudos Judaicos da Associação Cultural Israelita de Brasília (ACIB).

Mestre em Desenvolvimento Sustentável área de concentração Sustentabilidade Junto a Povos e Terras Indígenas (2013) pela Universidade de Brasília, especialização em Gestão de Políticas Públicas e Sociais da Saúde da Família (2010) pelo Libera Limes Instituto, graduação em Serviço Social (2010) no Centro Universitário da Grande Dourados. Possui mobilidade internacional através de redes e mobilizações indígenas da América Latina e Caribe, atuando na defesa dos direitos dos povos indígenas, em especial da juventude e mulheres indígenas.

Liderança feminina do povo Shanenawa na Aldeia Shanekaya. Cacique e Pajé da Aldeia Shanekaya (Acre), conhecida por ser uma aldeia feminina. A comunidade é composta por 71 mulheres e apenas 16 homens, incluindo nesse número até as crianças do sexo masculino. Mas não é somente pelo gênero feminino ser a maioria que elas se destacam, mas sim porque as mulheres desempenham a liderança. Professoras, produtoras rurais, representantes das comunidades, articuladoras políticas, líderes espirituais, caciques (v. https://amazoniareal.com.br/irmas-lutam-pelo-resgate-do-povo-shanenawa-no-acre/).

Subsecretaria de políticas públicas para povos indígenas do governo do estado do Mato Grosso do Sul.

Mestrado em Educação pela Universidade de Brasília (1996). Experiência na área de Educação, com ênfase em Educação escolar Indígena. Participou da elaboração das diretrizes curriculares para educação escolar indígena.

Coordenador do curso de Direito da UFGD-MS. Doutorando em Direito Socioambiental pela PUC – PR; Doutorando em Direito Público pela Universidade de Coimbra; Mestre em Direito Agroambiental pela Universidade Federal do Mato Grosso; Especialista em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade Federal da Grande Dourados; Bacharel em Direito pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul e licenciado em História pela Universidade Federal da Grande Dourados; Professor Assistente da Faculdade de Direito e Relações Internacionais da Universidade Federal da Grande Dourados e advogado 14.236 OAB/MS; Editor-chefe da Revista Videre da Faculdade de Direito e Relações Internacionais (B1).

Subprocuradora Geral do Trabalho. Coordenadora da Câmara de Corodenação e Revisão.

Psicóloga indígena. Membro do Conselho Federal de Psicologia.

Representante a Juventude de Terreiro do Rio de Janeiro. Membro do gabinete do Dep. Federal Marcelo Calero. Administrador do canal de comunicação para facilitar o acolhimento de denúncias de casos de violência a instituições religiosas.

Historiadora, pesquisadora de relações de gênero e étnico/raciais, consultora para corporativos de diversidade, equidade e Ex-Consultora da Petrobras para o Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça e Comissão de Diversidade (2006-2016), Conselheira do Conselho Nacional dos Diretos da Mulher (1999-2002), Secretária de Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro (2002), Consultora do projeto “A Cor da Cultura” (Canal Futura- Fundação Roberto Marinho). Autora de “Dossiê Assimetrias Raciais no Brasil: alerta para elaboração de políticas”, “Organizações Afro-brasileiras no Estado do Rio de Janeiro” e “Desigualdades Étnico/Raciais e de Gênero no Brasil – as revelações possíveis dos Índices de Desenvolvimento Humano ajustado ao gênero”. Vice-Presidente do Conselho Curador do IBASE, membro da Coalizão Negra por Direitos. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em História Comparada do IFCS/UFRJ.

Pós-Doutor em Filosofia pela UFRJ. Titular do Centro de Ciências Jurídicas e Políticas da UNIRIO.